Teologia da Prosperidade – um veneno nos programas evangélicos

Postado em Atualizado em

É interesse como a maioria dos pastores midiáticos são adeptos da teologia da prosperidade, algo comum entre os midiáticos americanos, talvez a explicação se deva ao desejo de quererem manter seus programas, os quais são cobrados grandes fortunas.

Em nome desta manutenção, a lógica maquiavélica de que “os fins justificam os meios” tem tomado o lugar do evangelho na mente deste lideres, que tem comprometido a mensagem e tornado os seus “ministérios” um fim em si mesmo.

Quando a mensagem é comprometida, vale lembrar as palavras do Pe. Antonio Vieira em seu sermão da sexagésima: “Quando as palavras de Deus são separadas da Palavra de Deus, tornam-se palavras do diabo.” Infelizmente o muito que se passa nos programas tidos como evangélicos hoje, não passam de “palavras do diabo”.

Uma teologia que torna Deus em um ídolo,despersonificando-o e despindo-o de sua soberania e assim domesticando-o para torná-lo em um mecanismo para se obter aquilo que se deseja é maligna, mesmo que para isso faço uso da Bíblia. Lembremos da tentação de Jesus, quando o diabo faz uso da palavra de Deus (Sl 91) para tentá-lo.

A igreja como coluna e firmeza da verdade(1 Tm. 3.15) não pode tolerar aqueles que em nome de Cristo anunciam um evangelho que não é o evangelho de Cristo, pois são pregadores comprometidos consigo mesmos, onde não há espaço para cruz, nem para o Deus revelado em Jesus Cristo; por isso devemos lidar com os obreiros corrompidos da mesma forma como a igreja de Éfeso lidou com os falsos apóstolos de sua época: “… que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos.” (Ap 2:2)

Nosso chamado de anunciar Cristo ao mundo, também exige que protestemos contra toda mensagem e mensageiro que corrompe o evangelho de Cristo, assim como os reformadores fizeram na Idade Média. Não podemos permitir que em nome da unidade ou do amor, nos omitamos de nossa vocação kerigmatica.

Qualquer discurso de unidade que tolere um falso evangelho, não é sobre unidade, nem sobre amor, mas sobre conveniência e tolerância, algo que não encontramos nas Escrituras, pois não tolera o pecado, o falso e tudo aquilo que se opõe a Deus!

Minha oração é que o grande mal que muitos destes programas difusores da teologia da prosperidade causaram, causam e causarão possa ser sanado com o evangelho de Cristo, da mesma forma que quando a farinha foi posta na panela envenenada sarou-a (2 Rs 4:40-44). E que tais mensageiros sejam convencidos de seus erros, arrependam-se e prossigam proclamando Cristo ao mundo!

Naquele que tem a espada de dois gumes saindo de sua boca,
Zé Bruno

Anúncios

5 comentários em “Teologia da Prosperidade – um veneno nos programas evangélicos

    Patrícia Lima disse:
    17 de maio de 2012 às 2:32 pm

    E bom que as pessoas tenham condições de vida digna, e isso também é ser prospero, mas de fato, nesses programas vemos uma apologia ao consumismo desacerbado, a luxuria, a futilidade e a valorização excessiva ao ter, e despreso do ser. Realmente muitas dessas ministrações são tão insuportaveis e difamadoras do evangelho que eu não suporto ouvir por um minuto sequer.

    VALEU ZÉ POR POSTAR ISSO.

    Jaziel disse:
    17 de maio de 2012 às 3:31 pm

    Eu mesmo, já parei de dar audiência pra pastor midiático há tempos… Foi quando eu ouvi o Dr. Mike Murdock falando sobre liberar unção de prosperidade para quem desse oferta de 900 Reais…

    Thiago Bruno disse:
    18 de maio de 2012 às 1:13 am

    Muito bom. Devemos orar mesmo. E não dá ibope, e o que mais?

    Rodrigo Moreira disse:
    18 de maio de 2012 às 3:49 pm

    Concordo com toda a argumentação do texto.Entretanto, encontrei um mal maior que a teologia da prosperidade, que tem seu mal escancaradamente visível. Logo, de fácil combate. Teologias transvestidas de evangelho, porém seu âmago serve a interesses escusos, sua mensagem é comprometida com ideologias anti-cristãs e seus paladinos, pedantes irreconciliáveis de coração.Seu discurso em vez de levar a Cristo que liberta o homem do pecado e de todas as demais mazelas, é instrumento de “disciplina” e ” educação”.Em vez de gerar homens livres em Cristo, fazem coro com aqueles que oprimem a sociedade. A igreja em vez de ser agente do Reino de Deus, torna-se instrumento de opressão a serviço dos poderosos deste mundo, seja pessoas, principados ou potestades.

    julio cesar disse:
    4 de janeiro de 2015 às 5:30 pm

    obedeça à Deus

Gostaria muito de conhecer sua opinião sobre este post/ I'd like to know your opinion about this post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s