pentecostais

De quem é a culpa? Uma opinião sobre a insatisfação arminiana e a Assembléia de Deus

Postado em

canceladoA Assembléia de Deus é uma igreja de confessionalidade arminiana. Porém o arminianismo nunca foi ensinado claramente e sistematicamente em nossas igrejas. Nunca tivemos em nossa EBD um trimestre cuja tema fosse Arminianismo. Se não fosse o advento da internet e principalmente das redes sociais muitos ainda estariam na ignorância do que seja calvinismo, arminianismo, pelagianismo etc.

Os arminianos tupiniquins, cuja maioria são de assembleianos e pentecostais, não devem a Editora CPAD pela proliferação de obras sobre esta soteriologia, mas a Editora Reflexão que tem lançado um livro após outro e contribuído para o estudo do arminianismo no Brasil e não só com publicações, mas na promoção de eventos com a presença de autores nacionais e internacionais.

Nossa igreja foi omissa, leia-se, alheia a educação deste tema. Relegando-o aos “doutores e mestres”, como se isso não fosse de interesse do membro comum. Logo não é de estranhar haverem dentro das ADs um contingente número de pastores e membros que são calvinistas declarados ou não (Imagino que as experiências eclesiásticas de muitos destes irmãos não sejam muito boas).

Em alguns grupos arminianos é explícito a insatisfação pelo avanço do calvinismo dentre os pentecostais e assembleianos e isso pelo menos por três motivos: a presença de calvinista dentre os autores publicados pela nossa Casa Publicadora ainda que a obra em si não trate do calvinismo; a presença constante de pentecostais nos eventos calvinistas como Consciência Cristã (VINACC) ou Conferência Fiel, por exemplo; e o fato de muitos assembleianos e pentecostais se assumirem calvinistas. Por estas e talvez outras razões há um movimento para impedir a “calvinização das Assembléias de Deus” que de tabela atinge a CPAD. Leia o resto deste post »

Anúncios

Vale lembrar: os evangélicos e a política brasileira

Postado em Atualizado em

by Lucas GamaA história da participação dos evangélicos no processo eleitoral brasileiro tem demonstrado que muitos não conseguem aliar sua fé com a ética que ela exige. A comunidade daqueles que dizem adorar o Deus e Pai de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo tem demonstrado um comportamento incompatível com essa relação.

Em 1989 nas eleições para Presidente da República, na qual concorreram Lula, Collor, Mário Covas, Ulisses Guimarães e Leonel Brizola, o ativismo eleitoral dos evangélicos não apareceu, porém no segundo turno, segundo Ricardo Mariano [1]: Leia o resto deste post »